Skip to content Skip to main navigation Skip to footer

Nos últimos 57 dias choveu apenas 31 milímetros em Araras

Nos últimos 57 dias choveu apenas 31 milímetros em Araras
Estiagem severa tem tomado várias regiões do país e deverá se estender até outubro

A falta de chuva tem causado preocupação aos gestores do Saema (Serviço de Água e Esgoto do Município de Araras) visto que nos últimos 57 dias em Araras choveu apenas 31 milímetros. Os níveis das represas em Araras encontram-se em estado de alerta.

As últimas chuvas no município foram nos dias 22 de junho e 28 de julho, com os registros de 16 e 15 milímetros, respectivamente. A previsão é de que as chuvas deverão chegar apenas no mês de outubro. Em maio, o Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) emitiu um alerta de emergência hídrica para a região hidrográfica da Bacia do Paraná entre junho e setembro de 2021. A bacia abarca boa parte dos estados de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná, além do Distrito Federal.


Últimas chuvas em Araras foram nos dias 22 de junho e 28 de julho, com os registros de 16 e 15 milímetros respectivamente.

Buscando alternativas para preservar água e não ter que partir para o cruel racionamento, o Saema vem tomando algumas atitudes desde o início do ano, como campanhas institucionais e fiscalização de orientação junto à população e agora partiu para o decreto que permite multa aquele que for pego desperdiçando água. O decreto entrou em vigor no dia 5 e até o último sábado (14), 11 autos de infração haviam sido elaborados. O valor da multa é de R$ 349,08.

“Estamos fazendo de tudo para não termos que partir para o racionamento, tudo depende de como a população agirá nos próximos dias. Além do decreto de multa, numa forma de conscientizar a população ainda mais, estamos aumentando a captação de água do Rio Mogi para preservar as águas das represas.”, falou o presidente do Saema, Alexandre Castagna.
A população pode colaborar com a fiscalização denunciando através do telefone 0800-014-4321.

Racionamento
Com ao menos dois meses de período seco ainda pela frente, são muitos os municípios que estão limitando a oferta de água à população por meio do racionamento, como os casos de Itu, Bauru, Salto, São José do Rio Preto, Chavantes, Santa Cruz das Palmeiras, Rio das Pedras, Suzanópolis, Mirandópolis e Tietê, no Estado de São Paulo.

No Paraná a situação está complicada nas cidades de Curitiba, Santo Antonio do Sudoeste e Pranchita; e no Sul, a cidade de Bagé. Todas convivendo com racionamento.

A região centro-sul do país enfrenta a pior seca em 91 anos de registros históricos. Reservatórios de hidrelétricas ao longo dos rios Paranaíba, Grande e Paraná, espécie de caixa d’água energética nacional, estão nos níveis mais baixos, ameaçando o colapso do Sistema Interligado Nacional (SIN), segundo relatório da ANA (Agência Nacional de Águas) até novembro.

Comunicado/Saema
com informações do G1

Back to top